Without, exposição de Julião Sarmento no CGAC

Do dia 9 de novembro até ao dia 3 de fevereiro, o CGAC (Centro Galego de arte contemporânea) recebe a exposição Without, do artista português Julião Sarmento, comissariada por Santiago Olmo e David Barro.

Without faz referência à polaridade que domina toda a obra de Julião Sarmento, como uma porta que de um lado tem a palavra entrada escrita nela e na outra saída, sendo sempre a mesma porta. Como nas obras de Julião Sarmento, o título não nos diz uma verdade exata ou absoluta, nem nos informa de tudo o que se vê.

A exposição é uma visão panorâmica que reúne trabalhos em torno a um sentimento que atravessa transversalmente toda a sua trajetória: a cinematográfica. Não é apenas uma relação literal, mas uma maneira de projetar como Sarmento sempre se moveu naquele espaço intermedio, entre suspensão e desejo, num espaço que nos faz, como espectadores, submergir num terreno inquietante, como a do estrangeiro, a do espectador voyeur.

A exposição também inclui exemplos da sua maneira particular de desconstruir a imagem, de obras em que o vazio é concebido como um pano de fundo ativo e de uma série de esculturas onde a ideia da cena é convocada. Também os seus trabalhos mais recentes, enigmáticos, pinturas de dimensão fractal que fazem referência ao mundo das constelações, porque no trabalho de Sarmento a realidade estende-se, e o espectador nunca conhece a realidade da imagem, como no cinema. Tudo isso exige uma posição ativa no espectador, que é forçado a decifrar a intenção de cada motivo e cada ausência, atendendo a títulos que oferecem pistas ao mesmo tempo que reforçam o mistério e o suspense.

O trabalho de Julião Sarmento é formalizado a partir da fronteira. Muitas das suas obras contêm imagens de imagens e estão relacionadas entre si, embora funcionem de forma independente, abraçando a ambiguidade do seu significado. Trata-se de micro-histórias que assumem a múltipla potencialidade do cinema, entre o expresso e o secreto, entre o pessoal e o estranho. Eles também compartilham com isso uma espécie de duração suspensa. Todo o trabalho de Julião Sarmento projecta essa sensação cinematográfica, porque no que vemos, sempre intuímos algo que permanece ausente, fora do palco.

 

 

Julião Sarmento

Nasceu em 1948 em Lisboa, Portugal, e vive e trabalha no Estoril, Portugal. Estudou pintura e arquitectura na Escola de Belas Artes de Lisboa. Ao longo da sua carreira, Sarmento trabalhou em uma ampla gama de mídias: pintura, desenho, escultura, fotografia, cinema, vídeo, performance, som e instalação. Ele também desenvolveu vários projetos significativos específicos para cada site. Ele fez inúmeras exposições individuais e coletivas em todo o mundo durante as últimas cinco décadas.

Julião Sarmento representou Portugal na 46ª Bienal de Veneza (1997). Ele foi incluído na Documenta 7 (1982) e Documenta 8 (1987), na Bienal de Veneza (1980 e 2001) e na Bienal de São Paulo em 2002. Seu trabalho está representado em várias coleções públicas e privadas na América do Norte e do Sul, Europa e Japão.

Síguenos en:

Post A Comment

Uso de cookies

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies