Festival Terras sem sombra 2019, Sobre a Terra, sobre o Mar

Este ano celebra-se a décima quinta edição do festival de música sacra Terras Sem Sombra, com o tema “Sobre a Terra, sobre o Mar Viagem e Viagens na Música (Séculos XV-XXI)”, que destaca dois aniversários inspiradores: em 2019, celebra-se em Sines o 550º aniversário do nascimento de Vasco da Gama; e em todo o país começam as V Celebrações Centenárias do percurso de circum-navegação de Fernando Magallanes.

Em 2019, Terras Sem Sombra traz um programa diversificado, não só musical mas também com atividades culturais interessantes, cuja missão é promover o património e a riqueza natural do Alentejo português. O país convidado de Terras Sem Sombra é os Estados Unidos, que apresenta um programa que abrange a música americana desde o século XIX até aos nossos dias.

No total, o festival Terras Sem Sombra tem cerca de 50 actividades que incluem concertos, conferências, visitas ao património, entre outras, nas quatro sub-regiões que compõem o Alentejo, mas também centra-se na sua intenção ibérica com actividades em duas localidades da Extremadura, Valência de Alcântara com a actuação da Orquestra Clásica do Sul, sob o bastão do famoso mestre Rui Pinheiro e Olivenza com Sofia Diniz, Holger Faust-Peters, Josep Maria Martí e Fernando Miguel Jalôto, num programa dedicado às suites francesas de Jacques Morel.

Mas o festival não só estará presente nestas duas cidades espanholas, também será inaugurado o ciclo “Mostra Espanha 2019”, com o Trio Arbós, com um programa de música hispano-portuguesa dos séculos XIX e XX, Juan de la Rubia, organista titular da basílica da Sagrada Família em Barcelona, e Quartetazzo en Odemira, um grupo composto por quatro flautistas femininas da Argentina, Brasil e Espanha, que recria melodias tradicionais da América do Sul.

Embora os verdadeiros protagonistas do festival Terras Sem Sombra sejam os compositores e intérpretes portugueses representados por Ana Telles, a Orquesta Clásica del Sur e o maestro Rui Pinheiro, Sofía Diniz, Fernando Miguel Jalôto ou Nuno Lopes, há também espaço para música de outras partes do mundo como a Hungria, República Checa e Filipinas.

Terras sem Sombra acontecerá de 26 de janeiro a 7 de julho sob a direção de José Antonio Falcão e visa “abrir
as “portas” do património cultural e natural do Alentejo, como cenário privilegiado da música europeia e internacional.
Contribuir para tornar acessível a todos a notável tradição artística e cultural da região, presente nos centros históricos,
nos monumentos, nas paisagens, cruzando-o com as áreas e espécies e produtos protegidos, gastronomia e lugares de excelência. A experiência única de como vivemos no Alentejo e de como vemos o passado, o presente e o futuro deste território, onde existem alguns dos mais elevados índices de preservação do património e do ambiente na Europa.
Este é um projeto que nasce do coração das comunidades locais e reflete a sua paixão pela arte, património e biodiversidade.

Programação musical Terras Sem Sombra

  • 26 de Janeiro. Vila de Frades. 21:30 horas. Walking on Water: Women’s Voices from Georgia
  • 9 de Fevereiro. Serpa. 21.30 horas. O vôo do pássaro: Aves e Biodiversidade no repertório do piano, do barroco ao presente.
  • 23 de Fevereiro. Monsaraz. 9.30 p.m. A Ordem Natural das Coisas: Música Espanhola e Portuguesa do final do século XIX.
  • 9 de Março. Valencia de Alcántara. 19.00 horas. A navegação é necessária: Charles Ives, João Bruno Soeiro e W. A. Mozart.
  • 23 de Março. Olivenza. 19.00 horas. Uma viagem imaginada: Suites francesas para Viola de Gamba
  • 6 de Abril. Beja. 21.30 horas. Rotas vitais: Trios de Pierre Jalbert e Franz Schubert
  • 27 de Abril. Elvas. 9.30 p.m. Antonio de Cabezón: Itinerários pela Europa ao serviço do Rei
  • 4 de Maio. Cuba 9.30 p.m. Coração Viajante: Canções de Amor e Calma no Oriente e no Ocidente
  • 11 de Maio. Ferreira do Alentejo. 9.30 p.m. Música como Passaporte: Um Itinerário Magyar
  • 25 de Maio. São Martinho das Amoreiras (Odemira). 9.30 p.m. Em outras margens: obras americanas e europeias para flauta
  • 8 de Junho. Ravinas. 18.30 horas. Convite para a viagem: Espaços, Memórias e Tempos de Canto Lírico
  • 22 de Junho. Santiago do Cacém. 21h30. Onde fica a minha casa? Tradição e vanguarda na música checa (séculos XIX e XX)
  • 6 de Julho. Sines. 21. 30 horas. Longe, mas perto: identidades musicais contemporâneas nos Estados Unidos da América

PROGRAMAÇÃO cultural Terras Sem Sombra

  • 26 de Janeiro. Vidigueira. 15 horas. Conhecer o Ciclo do Pão: Teoria, Poesia e Prática
  • 9 de Fevereiro. Serpa. 15.00 horas. Oficina de Cante: Al encuentro de la tradición musical alentejana (Ao encontro da tradição musical alentejana)
  • 23 de Fevereiro. Reguengos de Monsaraz. 15 horas. O Bom e o Mau Juiz: Alegorias de Justiça na Audiência de Monsaraz
  • 9 de Março. Valencia de Alcántara. 15.00 horas. Pedras falantes: Paisagens megalíticas da região de Alcântara.
  • 23 de Março. Olivenza. 15.00 horas. Do passado para o futuro: as raízes portuguesas de Olivença
  • 6 de Abril. Beja. 15.00 horas. A Cidade da Água: Chafarizes, fontes e poços históricos de Beja
  • 27 de Abril. Elvas. 15 horas. Confluências Rayanas: Arte Popular e Arte Contemporânea em Elvas
  • 4 de Maio. Cuba 15 horas. No país de Fialho de Almeida: Lugares e memórias do autor de ‘Os Gatos’.
  • 11 de Maio. Ferreira do Alentejo. 15 horas. Património Histórico: A aldeia do Monte da Chaminé e a romanização do Baixo Alentejo.
  • 25 de Maio. São Martinho das Amoreiras (Odemira). 15 horas. A Montanha Mágica: História e Histórias de São Martinho das Amoreiras
  • 8 de Junho. Ravinas. 21.30 horas. Lendo o Céu e suas Tradições: Da Astrologia à Astrofísica
  • 22 de Junho. Santiago do Cacém. 15.00 horas. Tribunal na aldeia: El Palacio de la Carrera
  • 6 de Julho. Sines. 15.00 horas. No olho do Ciclope: o farol do Cabo de Sines
Terras sem sombra

Faro de Sines Foto: Asociación de Amigos de los Faros de Andalucía.

PROGRAMAÇÃO sobre biodiversidade Terras Sem Sombra

  • 27 de Janeiro. Vidigueira. 9:30 da manhã. Quando os peixes apanham o elevador: Explore a conectividade do Rio Guadiana
  • 10 de Fevereiro. Serpa. 9:30 da manhã. Gene Banks: As raças autóctones e o genoma do sobreiro
  • 24 de Fevereiro. Reguengos de Monsaraz. 9:30 da manhã. Interpretação da paisagem: Reguengos de Monsaraz y su “hinterland”.
  • 10 de Março. Valencia de Alcántara. 9:30 da manhã. Nas águas do Tejo internacional: Avifauna e biodiversidade
  • 24 de Março. Olivenza. 9:30 da manhã. Jardins de Deus: A cordilheira de Alor e o prado
  • 7 de Abril. Beja. 9:30 da manhã. Pela rota dos pastores: Os canyons reais em Beja
  • 28 de Abril. Elvas. 9:30 da manhã. Resistindo ao Invasor: O Jacinto de Água e a Bacia do Guadiana
  • 5 de Maio. Cuba 9:30 da manhã. Tesouros da Terra: Geologia e variedades tradicionais em Cuba
  • 12 de Maio. Ferreira do Alentejo. 9:30 da manhã. Vizinhos discretos: insetos e sustentabilidade nos campos de Ferreira
  • 26 de Maio. São Martinho das Amoreiras (Odemira). 9:30 da manhã. Mãe-d’Água: Expedição à Serra da Vigia
  • 9 de Junho. Ravinas. 9:30 da manhã. All for One: Prevenção e Combate a Incêndios em La Raya
  • 23 de Junho. Ermidas do Sado (Santiago do Cacém). 9:30 da manhã. Mansa comum: O curso médio do rio Sado
  • 7 de Julho. Sines. 9:30 da manhã. Nereo e Proteus: Observando e cultivando o mar
Síguenos en:

Post A Comment

Uso de cookies

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies