Expressões portuguesas engraçadas e as suas origens

A língua portuguesa é muito rica. Também em expressões, cujo sentido literal é engraçado, embora descrevam bem uma situação concreta. Muitas delas são muito antigas e com referência a fatos históricos. De entre a multidão de expressões Portuguesas típicas, destacamos estas: 

“Ficar a ver navios”.  Significa ser enganado ou ver as expectativas frustradas e ficar desiludido. A expressão tem origem na época das descobertas, em que vários cidadãos de Lisboa costumavam ir ver os barcos entrando no Tejo desde o Alto de Santa Catarina. Para alguns autores eram armadores esperando as caravelas que vinham de ultramar, esperando a que trouxessem tesouros;para outros, seriam os populares que criam na volta de D. Sebastião, rei de Portugal, desaparecido em África, em batalha  de Alcácer-Quibir, em 1578, e que esperavam em vão o regresso do monarca. Outra teoría diz que a expressão vem da partida da familia real portuguesa para o Brasil aquando das invasões francesas, no ano de 1807.

Expressões portuguesas

Alto de Santa Catarina, Lisboa

“Do tempo da Maria Cachucha”. Significa muito antigo e refere-se a uma dança espanhola que estava muito em voga também em Portugal no século XIX. Outra forma de referir-nos a algo muito antigo é “Do tempo dá Sê de Braga”, já que Braga é a mais antiga arquidiócesis de Portugal  (século IV).

“As obras de Santa Engrácia”, significa algo que está a demorar muito, a eternizar-se. Refere-se à história da construção da igreja de Santa Engrácia, o chamado “Panteão Nacional” cerca do Campo de Santa Clara em Lisboa. A infanta D. María, filha do rei D. Manuel I, mandou construir este templo em 1568. A construção esteve cheia de contratempos e demorou quase 400 anos em ser terminada. De facto, a igreja foi terminada e inaugurada por Salazar como o Panteão Nacional em 1966.

Panteão Nacional – Parroquia de Santa Engracia – Lisboa

“Cuspir Fininho”. É uma expressão muito lisboeta. José Cardoso Pires explica-a em seu “Lisboa – Diário de Abordo” como o linguajar desafiador dos lisboetas mais típicos.

“Rés-vés Campo de Ourique”. Significa ficar bem perto de conseguir ou atingir algo. Tem origem no facto que o terramoto de 1755 destroçou quase toda Lisboa, mas o bairro de Campo de Ourique ficou intacto e salvou-se por pouco.

El Barrio lisboeta de Campo de Ourique. Via Sol.

“Não jogar com o baralho tudo”. Significa estar louco/a (Similar a “Falta-lhe um parafuso”).

“Que Massada!”(ou também “Que maçada!”). Significa um contratempo ou tragédia. A sua origem é a história de Massada, no Mar Morto, onde o povo judeu permaneceu anos resistindo ao assédio dos romanos e terminou num suicídio coletivo.

Massada (Israel). Via Travelinnate

“Tirar o cavalinho dá chuva”. Significa desistir de algo, que não vai passar, que tiremos ilusões. A origem era que em séculos passados a gente prendia os cavalos afora de uma casa e se a visita ia para longo o anfitrião sugeria que tirarão o cavalo de afora, da chuva.

Tirar o cavalinho da chuva (via Na Ponta da Madeixa)

“Pentear Macacos”. Significa que queremos que alguém deixe de nos importunar. Outra expressão com significado similar é “Ir chatear Camões”.

“Ter muita lata”, significa atrevimiento ou ausência de vergonha.

Ter muita lata. Via vortexmag.

 

“Isto não é a casa da Joana”. Significa que hão-de se respeitar certos limites com uma pessoa. Joana foi uma condessa de Provença e rainha de Nápoles do século XIV que foi expulsa da Igreja por levar uma vida disoluta. Diz-se que viveu num bordel de Avinhão.

“Ter a pulga atrás da orelha”. Significa estar desconfiado, ou preocupado.

Via Vortexmag.

Há muitas mais. Que outras expressões portuguesas acha engraçadas?

Síguenos en:

Post A Comment

Uso de cookies

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies