Diário de uma viagem de Surf em Portugal

Diário De Uma Viagem, em Busca das Melhores Praias De Surf Em Portugal

Fazer surf em Portugal é uma experiência única. O nosso colaborador Íñigo Fernández, conta-nos a sua experiência percorrendo o centro do país vizinho à procura das melhores praias para praticar este fascinante desporto, na companhia dos seus dois filhos adolescentes.

Portugal 2017

Carregámos a nossa caravana com víveres e equipamento de viagem para fazer um pouco de hippie pela Península Ibérica. O objectivo desta vez era ir a algumas das melhores praias de surf do mundo, as do centro de Portugal. O que não sabíamos é que levar-nos-ia a descobrir tantas outras coisas mais fascinantes que as ondas.
Saímos desde Valladolid, que o contrário a um lugar verde, húmido e fresco no verão. Iniciamos a viagem quase por inércia, para oeste com a intenção de tomar contacto com o mar na Nazaré, um lugar carregado de misticismo no mundo das ondas. Uma vila costeira situado em alto e a nível do mar. É uma paragem recomendável pelo seu encanto e pelo farol-museu do castelo de São Miguel. Ali guardam-se as pranchas de alguns dos mais famosos surfistas que desceram a super onda da Nazaré, como Garret McNamara.

Praia do Norte, onde termina a maior onda do mundo

Praia de Nazaré

No dia seguinte não pudemos fazer surf porque o mar estava muito calmo e dirigimo-nos para sul, descobrindo estradas e aldeias. Começam a aparecer os moinhos da costa, construções muito curiosas situadas a grande altura na costa e, geralmente, bem conservadas.
Esta estrada costeira leva-nos a São Martinho do Porto, uma vila bem preservada com uma praia em forma de concha, protegida do mar. Ao não ter ondas prosseguimos o caminho até à nossa seguinte paragem: Peniche. Esta é uma das zonas mais concorridas para a prática do surf. Há escolas, lojas e hotéis por todos os lados, a receber os praticantes deste desporto. Estivemos na praia de Praia da Cova da Alfarroba, à qual se acede de maneira fácil. É uma praia orientada a norte que tem muitas ondas favoráveis para se divertir no mar.

Peniche é uma vila com muita história que está em transformação. A sua marina e o seu turismo parecem em crescimento. Está bem preservada, com o centro histórico a ser restaurado. Tem muito encanto. Em Peniche começamos a dar-nos conta de um detalhe que marcou a nossa viagem de uma maneira singular, o chão da calçada. Este chão aparecia em todas as ruas  desde a Nazaré. Pareceu-nos fascinante pelo custo que tem e pelo peculiar estilo que confere ao urbanismo. Depois descobrimos que é assim em todo Portugal.

Após o surf parámos na loja da Rip Curl, obrigatória para qualquer adolescente que goste de marcas (quase todos).
Um pouco mais a sul estão duas praias que gostámos muito: Os Supertubos e a Praia da Consolação, que são extensas e nada saturadas de gente. Estas voltam a estar orientadas a oeste e estaciona-se  com bastante facilidade. Boas para fazer surf se o mar entra de sul e oeste.

Passámos a noite numa falésia perto de Consolação sem ninguém à volta, excepto pescadores que desciam com a maré a polvos  e outros mariscos.

surf en portugal

No dia seguinte,  prosseguimos a nossa viagem para a Praia de Areia Branca, na Lourinhã, uns quilómetros mais a sul. É um lugar bem preservado também. Ao longo da viagem,  os bares de  praia  surpreenderam-nos porque são modernos, têm boas instalações e até escolas de surf. Grandes terraços e acesso ao mar.
Em Areia Branca o mar estava muito batido e não pudemos fazer nada água. Tivemos a praia para nós sozinhos.

Após um duche no bar da praia seguimos pela costa passando por aldeias e vilas, parando em falésias a ver o mar, como esta na Praia de Valmitão.

O mar melhorava e as ondas eram algo maiores. A caminho de Ericeira o tempo estava a mudar. Dirigiamos-nos à verdadeira meca do surf português.

Parámos em praias como as de São Lourenço e Ribeira D’ilhas.

Ribeira d’Ilhas

Aqui quisemos voltar a fazer surf no dia seguinte, mas ao ser uma praia de arrecife e rochas não pudemos porque necessitaríamos calçado que não tínhamos. Este é o único lugar no qual vimos um pouco de “hippieismo” em caravanas. O resto do tempo as caravanas estão quase sempre em parques de campismo.  Não creio que se permita estacionar caravanas em qualquer lado, tal como em Espanha…ainda que a polícia nunca nos disse nada.

Decidimos então ir à super-loja da Quick Silver, que tem um skate park gratuito. A loja é muito “fixe” e tem um bar. As praias da Ericeira foram as mais concorridas que vimos:

Passámos a noite fora da vila, numa falésia da Praia da Vigía.

No dia seguinte visitámos a Ericeira. É uma vila lindíssima que conserva a sua arquitetura tradicional e sabor de aldeia de pescadores.  . O turismo ainda não a estragou e se podemos desfrutar do comércio, cafés  e lojas.

Realçavam muito as fachadas de azulejos espetaculares. A praia de cima é a da vila, a Praia dos Pescadores. No sul há outra, chamada Praia do Sul, lógicamente.

Depois fomos apanhar ondas à Praia do Lizandro, com os seus bares de praia e zonas de lazer muito modernas. Come-se e descansa-se muito bem…

O nosso tempo estava a acabar, pois só tínhamos seis dias para esta viagem. Por isso, decidimos que era preciso avançar quilómetros para chegar a tempo a Lisboa.

A seguinte praia, ainda que havía muitas pelo caminho, foi a do Guincho. É uma praia na qual o vento é muito forte e permite fazer surf, windsurf e kite surf. Tem uma duna gigante similar à de Bolonia em Tarifa.

O final do dia passámo-lo em Cascais. Nada que dizer que não se conheça desta pérola de fantasía, cheia de palácios dos séculos XIX e XX que competíam em beleza e riqueza. O apogeo do romantismo nesta costa. Este lugar teve que ser , e ainda parece, uma zona de riqueza, cultura e bem viver.

Cascais é muito interessante. Os melhores lugares para jantar estão escondidos na parte alta, que está salpicada por grafittis como este:

O dia terminou com um passeio de noite nesta parte desta cidade, em que apetece passar mais días.

No seguinte dia fomos a Sintra. Foi para nós um grande descobrimento. Não tenho nada a acrecentar ao que já foi dito e escrito sobre este lugar de sonho, muito romântico, criado à volta da ideia de um rei português com influências centro européias.

Passámos o último dia da nossa viagem a visitar a que foi para mim a maior descoberta: Lisboa.

Todo o que fui vendo e o ambiente que respirei pareceu-me belo e familiar, atraente e deslumbrante. Lisboa não é uma cidade qualquer. Num dia e meio pareceu-me descobrir uma cidade para a qual mudar-se a viver e desfrutar de vanguarda, cultura popular, correntes e culturas diversas bem misturadas, e um pulso de vida. Lisboa está na moda e precisa detempo para ser visitada. Praças e becos da cidade continham uma explosão de ideias, revisando o seu passado e construindo novas expetativas. A arquitectura, as gentes, o rio, as colinas, as fachadas e os lugares de convivência são feitos para ficar.

Visitamos só um museu, Gulbenkian, cujos jardins são fascinantes. A exposição permanente é muito ampla e importantíssima.


Foi viagem muito intensa. Algo breve. Se calhar no ano que vem comece pela outra margem do Tejo e vamos até o Algarve.

 

Síguenos en:

Post A Comment

Uso de cookies

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies